quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Encontro de Mestres e Mestras Populares promove reflexões e diálogos em Santarém Novo


A Cultura Popular assumiu o centro do debate


O Festival de Carimbó de Santarém Novo (Fest-Rimbó) é uma referência em todo o Estado do Pará por reunir grupos de carimbó de diversos municípios, como Marapanim, Santa Bárbara, Salinas, São Miguel do Guamá, Salvaterra, Parauapebas, Maracanã e Belém.  O que é preciso ressaltar a cada ano, no entanto, é o caráter político do festival. Na última edição, foi mais uma vez realizado dentro do evento o Encontro de Mestres e Mestras do Carimbó, espaço onde ocorreram trocas de experiências e debates sobre as políticas culturais que são necessárias para as culturas populares.

Mestre Manoel Agnaldo, de Marapanim, representante atual do carimbó no Colegiado Setorial de Cultura Popular do Ministério da Cultura (Minc), considerou que a grande importância do Fest-Rimbó atualmente é promover momentos de reconhecimento da cultura popular como um elemento fundamental de sobrevivência da população amazônica. “É preciso que a gente entenda que a maior explosão cultural do nosso estado deve ser tratada com amor. E que a nossa união é o mais importante”, ressaltou.

Segundo Mestre Manoel, após o reconhecimento do carimbó como patrimônio brasileiro, surgiu uma nova ferramenta de reivindicação importante para os mestres: a documentação oficial gerada pelo Iphan, como o dossiê e o certificado de Patrimônio Imaterial entregue aos mestres e grupos. Que, no seu entendimento, são chaves importantes para abrir novas portas para a cultura popular por meio de pressão pelo desenvolvimento de políticas públicas. Para outras lideranças, como o músico e artesão Edson, do Grupo Zimba Retumbá, de Parauapebas, os grupos devem ter como prioridade os jovens e crianças de seus municípios, para que o conhecimento presente no carimbó possa circular e se retroalimentar das novas gerações.


Estiveram presentes também convidados de outros estados e regiões do país como o Grupo Flor de Pequi, da cidade de Pirenópolis, Goiás, que trabalha com brincadeiras e cantigas de roda, e o Mestre Zé da Viola e sua Reisada, acompanhado de Dona Lourdes, Catarina Ribeiro e o fotógrafo Marcos Nogueira, que vieram de Roraima. Além de ministrar oficinas e se apresentarem na programação do festival, os convidados compartilharam suas impressões sobre o evento e sua importância para o universo da cultura popular amazônica e brasileira. “A gente não entende a vida sem as nossas brincadeiras populares”, defendeu Catarina Ribeiro. 

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Grupos de Teatro vão aos quintais de Santarém Novo

Teve Teatro em Santarém Novo!

Em Santarém Novo, município do nordeste paraense, o mês de dezembro é um mês especial. É quando o barracão da Irmandade de São Benedito, santo de devoção do lugar, recebe grupos de carimbó de todo o Estado do Pará para trocas de vivências e momentos de celebração no Festival de Carimbó de Santarém Novo- Festrimbó. Este ano, além do barracão, os quintais das casas do município também foram alvo de uma programação especial: O teatro de quintal.

Isaac Loureiro, membro da organização do festival, explica que a principal inspiração para o surgimento da ideia veio de um grupo de Brasília, o grupo do Seu Estrelo. “Lá eles utilizam terreiros para suas apresentações. Vi que aqui nós poderíamos utilizar os quintais para envolver os moradores”. Segundo Isaac, o intuito é fazer uma programação todos os anos que abarque um público que não vai para o barracão do carimbó. “É importante oferecer atividades paralelas”, completa.

A “turma do teatro”, como diz Isaac, veio para o Festrimbó no ano de 2014, representada pelo grupo “Causo e Cia”. Naquele ano, foram desenvolvidas contações de histórias e performances em cortejos pela cidade. A atividade foi bem sucedida, segundo a organização, pois jovens e crianças se envolveram com o trabalho dos artistas.

Para o ano de 2015, a coordenação do festival viu que era possível ampliar o número de apresentações, então fez a proposta aos parceiros para a realização da I Mostra de Teatro de Quintal. Além do “Causo e Cia”, vieram à cidade os grupos In Bust Teatro com Bonecos, Cia. Sorteio de Histórias e os atores Nanan Falcão e Lucas Azevedo, todos dentro do projeto Casarão Roda, do Casarão de Bonecos, espaço em Belém que agrega vários grupos e coletivos teatrais.

As contações de história e performances apresentadas foram: “Histórias do Rio-mar”, da Causo e Cia, “O príncipe Celestino, a lavadeira Anabela, e o sapo que não lava o pé”, de Paulo Ricardo Nascimento, “Quirck, para crianças e pessoas com coração de criança”, de Pedro Olaia, “Sorteio de contos: a história do aluno e seu professor”, da Cia. Sorteio de Contos, “O conto dos três irmãos”, de Nanan Falcão e Lucas Alberto, e “A gira dos Vagalumes”, do Projeto Vertigem.

O resultado foi considerado excelente pela comunidade e pelos artistas. O público adorou a novidade do teatro ali debaixo da árvore, no quintal mesmo, e no chão do barracão da Irmandade, onde dezenas de crianças assistiam tudo com olhinhos brilhando de encantamento e alegria. Um momento realmente lindo, de muita generosidade de ambas as partes, artistas e público.

Pra 2016 a Mostra de Teatro de Quintal já está na agenda do festival, com possibilidade inclusive de circular por outras comunidades carimbozeiras paraenses. Vamos esperar as novidades...

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Fest-Rimbó 2015- Se Programe!

PROGRAMAÇÃO COMPLETA

EM SANTARÉM NOVO
Dia 18/dezembro - Sexta
08:00 às  12:00- Oficinas com grupos convidados do Festival (Mostra Batuques do Brasil)
Oficina de Lindô e Reisada - com Mestre Zé da Viola e D. Lurdes (Rorainópolis/RR)
Local: Salão do CRAS (antigo Centro Solidariedade) – Inscrições gratuitas.

14:00 às 18:00- Oficinas com grupos convidados do Festival (Mostra Batuques do Brasil)
Oficina de Ritos e Brincadeiras Populares – Com Grupo Flor de Pequi (Pirenópolis/GO)
Local: Salão do CRAS (antigo Centro Solidariedade) – Inscrições gratuitas.

19:30- Momento de Acolhida do 13º FEST RIMBÓ com cantos e folia tradicionais
Local: Barracão do Carimbó de São Benedito

20:30- Roda de Boas Vindas e Abertura do Festival com folias, poesia e carimbó
Interações musicais e poéticas entre mestres e mestras do carimbó, reisada, lindô, côco, entre outros
21:30- Circuito Cine Carimbó – Mostra Audiovisual Itinerante da Campanha do Carimbó
Exibição de Curtas Paraenses: “O Grande Balé de Damiana” (de João Loureiro Jr) e “Sonâmbulos” (de Renata Loureiro), entre outros.
Exibição de curta sobre patrimônio imaterial produzido pelo Grupo Flor de Pequi (GO).
23:00- Encerramento do 1º dia

Dia 19/dezembro – Sábado
07:00- Alvorada do Festival na Casa do Mestre Bernardo e D. Ana
08:00- Recepção Carimbozeira aos grupos e convidados visitantes
Locais: Trapiche Municipal e Pça Justino Montalvão

09:00 às  13:00- Seminário Estadual da Campanha do Carimbó
Tema: “Carimbó Patrimônio Cultural - 10 anos de luta, 1 ano de conquista”
Atividade organizada pela Coordenação da Campanha do Carimbó
Local: Local: Salão do CRAS (antigo Centro Solidariedade)

14:00 às 17:00- Oficinas com grupos convidados do Festival (Mostra Batuques do Brasil)
Oficina de Coco de Roda - Com Mestre Severino (Natal/RN)
Local: Salão do CRAS (antigo Centro Solidariedade) – Inscrições gratuitas.

16:00 às 18:00 -I Mostra de Teatro de Quintal – Espetáculos e performances teatrais nos quintais de moradores de Santarém Novo (Acesso gratuito)
Grupos convidados: Causo e Cia, In Bust Teatro com Bonecos, entre outros.
17:00- Cortejo de Abertura do Festival celebrando 13 anos do Fest Rimbó e 10 anos da Campanha do Carimbó
Concentração na Praça da Matriz as margens do Rio Maracanã, saindo em direção ao espaço do festival no Barracão do Carimbó de São Benedito

18:00- Acolhida com o Grupo Os Quentes da Madrugada – Tradicional (Barracão de S. Benedito)
18:30- Cerimônia de Abertura e Entrega dos Certificados de Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro para Mestres, Mestras e Lideranças Carimbozeiras de Santarém Novo e Região do Salgado.
Convidados: Mestras e Mestres de Carimbó, Representantes de Grupos, Iphan, Autoridades Municipais, Coordenação da Campanha do Carimbó.
19:30- Mini-Festival 2015 – Apresentação de Grupos Mirins de Carimbó
       Grupo Mirim da Irmandade de Carimbó de S. Benedito (Santarém Novo)
20:00- Mostra Batuques do Brasil – Ano II
            Reisada de Mestre Zé da Viola (Roraima)
            Coco de Roda Mestre Severino (Rio Grande do Norte)
20:30- Mostra Mestre Celé de Carimbó – Ano XIII
             Apresentação de grupos de carimbó de Santarém Novo e vários municípios
00:30- Festa de Carimbó no Barracão da Irmandade – com Grupos convidados

Dia 20/dezembro – Domingo
07:00- Café da Manhã Carimbozeiro no Barracão da Irmandade
09:00 às 12:00- X Encontro dos Mestres e Mestras do Carimbó -Tema: “Salvaguarda quem faz somos nós”
Convidados: Mestres e Mestras de Carimbó do Pará, Mestres e Mestras de Roraima, Rio Grande do Norte e Goiás.
Local: Barracão de São Benedito
15:00 às 17:00- Roda de Conversas e Batuques Brasileiros – Carimbó, Côco e Cacuriá com Mestre Severino, Mestre Zé da Viola, Flor de Pequi e Grupos de Carimbó
Local: Barracão de São Benedito
16:00- I Mostra de Teatro de Quintal – Espetáculos e performances teatrais nos quintais de moradores de Santarém Novo (Acesso gratuito)
Grupos convidados: Causo e Cia, In Bust Teatro com Bonecos, entre outros.
17:00- Celebração e Cortejo de Despedida do Festival saudando as 13 edições realizadas
Concentração no Mangueiral, Bairro da Liberdade, saindo em direção ao espaço do festival no Barracão do Carimbó de São Benedito
18:30- Apresentação do Cordão Tradicional “Os Pretinhos” (Santarém Novo)
19:15- Mostra Batuques do Brasil – Ano II
             Roda de Brincadeiras e Cantorias com Grupo Flor de Pequi (Goiás)
20:20- Carimbó de São Benedito com o grupo “Os Quentes da Madrugada – Juventude”
21:00-   Mostra Mestre Celé de Carimbó – Ano XIII
Apresentação de grupos de carimbó convidados

01:00- Encerramento do 13º FEST RIMBÓ

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Quem chama a roda de carimbó?- A história do Fest-Rimbó

Mestre Bento guarda os nomes dos personagens mais antigos do carimbó de Santarém Novo

Santarém Novo, fim dos anos 1990. Associações de moradores, sindicatos, centros comunitários e quantas mais organizações da cidade se reuniram em um fórum. A pauta: fazer um grande evento para promover a cultura local. E o que mais representativo do que o carimbó? Quem não é de lá pode não saber, mas o batuque corre na veia dos nativos. Consenso geral, dali saiu a faísca que gerou o “Festival de Carimbó de Santarém Novo”, também conhecido como Fest Rimbó, um dos principais encontros de carimbó do país.

 A ideia original era usar o fervor do carimbó para aquecer a economia do município, atrair turistas e vender bem durante os dias de festa, mas o Fest Rimbó foi muito além.  Virou ponto de encontro e reconhecimento entre mestres de todo o Pará e afora. Uma referência para praticantes e fãs dessa cultura centenária. Todo esse potencial podia se sentir já na primeira edição do evento em 2002.

2002: o início de tudo

“Era uma estrutura bem precária, um palco no meio da rua que parecia um palanque, mas o pessoal parou pra ver”, lembra Isaac Loureiro, um dos organizadores do festival. “Apesar de ter algumas pessoas da Prefeitura no fórum, não tivemos apoio do poder público. A gente fez assim mesmo, na marra”. A estreia do Fest Rimbó não teve ares de mega espetáculo, mas foi um sucesso de público.
Na base do “boca-a-boca”, grupos e artistas de carimbó de todo o Estado aportaram a Santarém Novo. O município está ali no coração, bem na fronteira entre o Salgado e a Região Bragantina. Não à toa foi sede de uma Intendência no século XIX porque ele é um polo de comunicação com toda a Região Nordeste do Pará. As mesmas qualidades que favoreceram a afluência de tantas pessoas do universo do carimbó. “Veio gente de longe, de Marapanim, Salinas, Maracanã e até músicos de Muaná, no Marajó”.  

Concurso de composições: o carimbo vive
Quatro palavras explicam tamanha procura: um concurso de composições. “A ideia de fazer o concurso veio da preocupação em valorizar o carimbó como uma cultura atual, viva em contraponto à visão que o carimbó é uma coisa do passado” conta Isaac. Na época, as rádios AM e FM, só tocavam esse tipo de música na programação da madrugada.  As bandas de baile guardavam os carimbós para o fim do repertório, focando sempre na trinca de “Verequete, Pinduca e Lucindo” e olhe lá.

“Mas será que não tem música nova? Carimbó sendo feito agora?”, era a pergunta que se faziam os organizadores do festival. A resposta eles já sabiam, novos grupos e compositores sempre existiram. O concurso serviu para espalhar a notícia.

Havia uma regra básica: para participar tem que ter música inédita e original. “Isso deu visibilidade para uma geração inteira de compositores que estavam ali invisíveis”, afirma Isaac Loureiro. “Compositores maravilhosos, alguns bem idosos já, que tivemos a honra de ter no palco, e alguns compositores novos, muito bons, que estavam surgindo. Isso foi um diferencial muito importante”.

Nessa primeira fase, o regulamento não fazia divisão entre carimbó tradicional, o “raiz’”, e aquele tocado com instrumentos modernos e elétricos, conhecido como “estilizado”, nem julgava temática. As próximas edições incorporariam esses critérios. O que importava (e ainda importa) era o ineditismo e a qualidade do som.

2003

Sucesso comprovado, o Fest Rimbó foi apoiado pela Prefeitura de Santarém Novo e Governo do Estado, em sua segunda edição. A festa saiu da rua e foi para um ginásio da cidade. Fechando a programação, por meio da Fundação Cultural do Estado, o maior popstar do carimbó: Pinduca. “De um ano pro outro já virou um evento do porte um pouco maior e as pessoas viam que movimentava bem, não só a população da cidade, mas dos municípios vizinhos que vinham e daí ele só foi evoluindo”, diz Isaac.

2004 : Quando o palco não é o bastante

Dois anos depois de surgir o Fest Rimbó, foi criado o Festival de Marapanim, município da Região do Salgado também com uma longa tradição no carimbó. Em Santarém Novo, começava uma reflexão. Muitos grupos foram criados em Santarém Novo e em outros lugares a partir do festival. O problema era que eles só se articulavam para participar do festival, o resto do ano era de inatividade. “O festival se tornou um ponto de agregação e aí nós vimos que o palco não resolvia, porque a gente via que fora do palco, junto com as brincadeiras e a alegria de estar junto, vinham os relatos das dificuldades dos problemas”, relata Isaac.  Era ali, nos bastidores, e não no palco que os mestres abriam como eles estavam se mantendo, como é que o grupo estava se mantendo. A partir do próximo ano, essa dinâmica começaria a mudar.

2005: Nasce a campanha “Carimbó Patrimônio Brasileiro”

“Tem uma parte do público que só quer saber do show, do que tem no palco. Pra nós não é só o palco, tem as rodas de conversa, debates, a interação entre os artistas de carimbó. O palco é só uma parte da história, do que rola. E foi essa a mudança fundamental na história do festival”, considera Isaac. Tudo que ficava no segundo plano foi trazido para frente para fazer parte da programação do evento. Além de ser uma vitrine, o Festival se consolidou como um espaço de formação, encontros e troca de experiências entre os participantes.

No mesmo ano, os mestres, grupos e comunidades de carimbo do Pará presentes no Festival lançaram a campanha “Carimbó Patrimônio Brasileiro” ou apenas “Campanha do Carimbó”, um movimento que reivindica o reconhecimento do carimbó como um patrimônio da cultura nacional e as condições para que seus guardiões perpetuem a essa tradição. Em dez anos, a campanha conseguiria a tão sonhada titulação, que abre a possibilidade de uma série de fomentos para o carimbó.

2015: o evento-movimento


Antes com caráter bem regional, o Festival de Carimbó de Santarém Novo está ganhando uma dimensão mais ampla. Não só o evento, mas o processo todo de articulação do carimbó, porque as pessoas vêm pra dialogar com o carimbó, não só para assistir, dançar, cantar ou tocar. “Não é essa relação, não é um festival nessa linha da produção tradicional formal, é um festival encontro, é um festival movimento, é um evento-movimento. É um evento que promove um movimento cultural de discussão, reflexão, articulação, trocas, gera alianças e consolida parcerias”, afirma Isaac Loureiro.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Os mestres do artesanato do curimbó


Já é noite alta, a festa está quente. No barracão da Irmandade de São Benedito, em Santarém Novo, os casais dançam sem parar, tradicionalmente vestidos com seus paletós e suas saias coloridas. Você, visitante, está empolgado e suado, rodando ao ritmo do carimbó. Mas pare um instante! Olhe para o conjunto que toca, repare bem. Você já notou os detalhes dos instrumentos dos quais os mestres tiram o som? O curimbó, por exemplo, o tambor grande também chamado de carimbó e que intitula o ritmo, é todo esculpido e pintado à mão. Já imaginou o trabalho que dá?
O Festival de Carimbó de Santarém Novo é um espaço que, além de abrigar folia e devoção, oferece também oportunidades de contato com os saberes dos mestres artesãos do carimbó. Como parte da programação do festival, o mestre Sabá, um dos mais importantes do município, ministrará uma oficina, no dia 12 de dezembro, no Sesc Boulevard, em Belém, sobre as técnicas que utiliza na confecção dos instrumentos. Segundo o próprio mestre, que já trabalhou com oficinas também na Fundação Curro Velho, o trabalho deve ser desenvolvido com insistência. “O segredo é ir fazendo, ir descobrindo as técnicas, ir pegando a prática. Eu não aprendi ‘de pai pra filho’. Ninguém me ensinou”, ele conta. A oficina também ser ofertada em Santarém Novo, voltada para aprendizes da comunidade, principalmente aos grupos mirins, na semana que antecede o festival.
Mestre Sabá, que também confecciona esculturas de caranguejos, araras e tatus, utilizando o formão sobre a madeira, lembra que iniciou no ofício a partir de um sonho. Após uma noite em que se via fabricando as peças, decidiu que se tornaria alguém capaz de materializar suas visões. “Fui para o mangue, cortei o tronco da siriúba, limpei ela, e fui fazendo. Eu já tava com uma boa idade. Depois isso, deu o meu sustento para pagar água, pagar luz, ajudar no sustento dos meus filhos”. 
Foi durante o Fest Rimbó que ele iniciou a prática de repassar seus conhecimentos aos mais jovens. Começou então a ter gosto de sempre manter sua oficina aberta às pessoas de olhar atento que, além de dançarem no barracão, se interessam pelos pormenores do artesanato. Para contribuir com o financiamento do Festival e ajudar para que oficinas como essa sejam ofertadas, basta que você acesse o site Kikant
(http://www.kickante.com.br/campanhas/festival-de-carimbo-de-santarem-novo-fest-rimbo-0) e participe da vaquinha virtual. Mestre Sabá conta você.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Como nasce uma cidade

Conheça os caminhos dessa história

Há muitos caminhos para que uma cidade torne-se o que é. A você, viajante, que já está preparado para encarar os três dias de música e dança do 13º Festival de Carimbó de Santarém Novo, chegou a hora de entender um pouco dos trajetos da história de Santarém Novo. Antes que você pergunte, nós já lhe adiantamos. Não, ela não foi fundada em referência à Santarém localizada às margens do rio Tapajós. E nem é tão nova quanto indicam certos documentos.

O rio que alimenta a cidade de peixes como dourada e piramutaba é o Maracanã. Foi através dele que, no ano de 1653, período da chegada do padre Antônio Vieira ao então governo-geral do Maranhão e Grão-Pará, foi instalada uma missão religiosa (lê-se: ação de dominação europeia) no local onde encontrava-se a etnia dos Maracanã. Ali, também viria a ser fundado o município de mesmo nome.

O povoamento, segundo historiadores, expandiu-se rapidamente. No ano de 1700, já havia ganhado o status de freguesia, que podemos entender hoje como um grau semelhante ao de município, com certa importância política e econômica. Então, em 1758, paralelo à expulsão dos jesuítas no Brasil, liderada pelo Marquês de Pombal, é erigida a vila de Cintra, que incluía o que hoje se conhece como os municípios de Maracanã, Marapanim, Salinópolis, Santarém Novo e uma parte de Igarapé-açu.

A então vila de Santarém Novo, no dia 12 de agosto de 1890, é elevado à categoria de município, sendo sede de uma vasta intendência. No entanto, com o surgimento de uma nova dinâmica social, provocada pelo advento da estrada de ferro, em 1906 é extinto e seu território anexado à Maracanã. Foi somente no dia 29 de dezembro de 1961, através da Lei nº 2.460, quando Aurélio do Carmo era governador do Pará, que Santarém Novo foi, finalmente, reconduzido à categoria de município. Viu só? Considerando a data de 1890, já são 125 anos como município!

Como chegar

De Belém a Santarém Novo são apenas 180 km, saindo pela rodovia BR-316 até o trevo da Vila Nova (passando pelo município de Santa Maria do Pará) e seguindo pela rodovia de Salinópolis (PA-324) até o trevo da entrada do município, na Vila de Pau-Amarelo (PA-124).

Você já sabe, mas não custa nada lembrar. Para contribuir com o financiamento coletivo do 13º Fest Rimbó, basta participar da vaquinha online no site Kikant ( http://www.kickante.com.br/campanhas/festival-de-carimbo-de-santarem-novo-fest-rimbo-

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Quer escutar uma história?

Dona Lôla Loureiro mantêm viva a memória da Cultura Popular!

A voz pode estar cansada e as pernas exaustas para grandes caminhadas. O brilho nos olhos, no entanto, nos revela em poucos segundos que estamos diante de uma autêntica guardiã da memória coletiva de Santarém Novo. Dona Lôla Loureiro, 86 anos, é uma das mais antigas mestras da cultura popular do município. Suas lembranças e histórias saem de sua boca com a marca de quem, de fato, viveu de perto, durante muitos anos, as festas e folguedos do lugar. O 13º Festival de Carimbó de Santarém Novo, fruto direto dessa trajetória, pede licença respeitosamente a ela antes de começar.

“Desde criança que eu gostava de brincar. Quando era mocinha, saía no Pássaro Ararajuba, na vila de Santo Antônio”, recorda. Dona Lôla se refere ao cordão de pássaro, um tipo de teatro popular tipicamente amazônico, no qual personagens como a “Guardiã do Pássaro”, a “Fada” e o “Caçador” protagonizam os espetáculos. Sem esquecer dos “Matutos”, que arrancavam risadas dos espectadores. Mas os anos de brincantes, segundo ela, duraram apenas até se casar com seu Temístocles, mais conhecido como Seu Bitoca, que dá nome à Biblioteca Municipal da cidade. Em Santarém Novo, um dos pássaros encenados por dona Lôla e seu Bitoca, era a “Ave do Paraíso”.

O marido era ensaiador de brincadeiras como o Cordão de Pássaros e os Pretinhos, manifestação que consiste em cantos e danças de meninos vestidos de homem e mulher, e que estará na programação do festival. Dona Lourdes passou então a trabalhar com os figurinos dos atores. “Eu desenhava os modelos e entregava para as famílias costurarem para os seus filhos. Todos faziam a sua parte. Hoje as pessoas só querem se tiver algum apoio e as meninas têm vergonha”, constata. Mas nada de lamentações, né, Dona Lourdes? “Eu tinha era muita vontade de fazer ainda, só que não posso mais. Quem continua agora são os meus netos”.

O baú de histórias é imenso e a simpatia, também. Em um final de tarde, após tomar um tacacá na banca de Dona Irene, procure saber onde fica a casa de Dona Lôla. Peça a sua benção, sente-se ao lado de sua cadeira de balanço. Em poucos minutos, você descobrirá a razão de Santarém Novo ser uma cidade que merece ser visitada.


E não esqueça. Para contribuir com o Festival de Carimbó de Santarém Novo é só participar do financiamento coletivo no site Kikant ( http://www.kickante.com.br/campanhas/festival-de-carimbo-de-santarem-novo-fest-rimbo-0). A cultura popular paraense agradece.

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Um baile de acolhida

Dona Miruca e Seu Martins Bernardo abrem a pousada para os visitantes! 

Geovane Máximo, estudante de Ciências Sociais da Universidade Federal do Pará (UFPA), foi a Santarém Novo pela primeira vez durante Festival de Carimbó do no ano passado. Ele participava da organização de um evento de bandas de rock na cidade. Após alguns dias,  e algumas idas ao barracão da Irmandade de São Benedito, porém, o ritmo do carimbó já havia feito a sua cabeça e a de seus companheiros. Resultado: cinco dias se passaram e, mesmo com a grana curta, ele foi recebido e acolhido pelos moradores como um familiar ou um amigo de muitos anos.

Assim é a povo de Santarém Novo. Durante a programação do 13º Fest Rimbó, novamente o município receberá, com muita disposição, todos aqueles que vêm de suas cidades conhecer a cultura do Carimbó. Lugar pra ficar é o que não vai faltar. A “Pousada Martins”, por exemplo, administrada por dona Miruca e seu Martins Bernardo, dispõe de nove quartos que podem ser reservados pela internet. “Tudo começou há mais ou menos vinte anos. A gente tinha alguns quartos vagos e vimos que podíamos alugar para as pessoas de fora que vinham trabalhar”, lembra Seu Martins. A casa também oferece café da manhã aos hóspedes.

Um diferencial de hospedar-se em Santarém Novo é o fato de todas as pessoas estarem envolvidas, direta ou indiretamente, com a Festividade do Carimbó. Dona Miruca conta que foi uma exímia dançarina do ritmo e que, hoje, os seus netos, como o Pedro Afonso, de cinco anos, fazem questão de participar da festa. “Ele sempre dança com as meninas e me cobra: ‘Vovó, cadê meu paletó?”. Para quem não sabe, segundo a tradição da cidade, os homens devem dançar sempre de paletó e sapato social; e as mulheres, saia longa e blusa abaixo do ombro.

Para fazer as refeições diárias, o viajante pode recorrer às casas de cozinheiras conhecidas, como a dona Teodorina, líder do grupo de carimbó mirim “Nova Geração”, ou ao cardápio de restaurantes como o “Encontro dos amigos”, onde os pratos são preparados especialmente para o recebimento de turistas. Outro lugar que vale lembrar é o bar em frente à casa do mestre Ticó, cantor e compositor do grupo “Os Quentes da Madrugada”. Lá, além de beber cerveja gelada e “gengibirra”, os grupos se encontram para rever os amigos e continuar o batuque.

Este ano, a organização prepara uma estrutura de camping, onde você vai poder armar sua barraca, tomar banho e descansar depois de altas nas madrugadas do festival do Santarém Novo.

Aos mochileiros experimentados, a organização prepara ainda a disponibilização de escolas para alojamento. Então, arrume sua mala e venha sem medo. E não esqueça de contribuir com o financiamento coletivo no site Kikant ( http://www.kickante.com.br/campanhas/festival-de-carimbo-de-santarem-novo-fest-rimbo-0). Os mestres contam com você.

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

O paladar do festeiro: as comidas tradicionais de Santarém Novo

Já provaste o doce de jambo? Vem pra Santarém Novo conhecer!
Após pegar algumas horas de viagem entre Belém e Santarém Novo, é natural que o viajante que vem para participar do 13º Festival de Carimbó de Santarém Novo sinta aquele vazio típico no centro do corpo. É, com isso não dá pra brincar: fome é fogo! Mas não se desespere. Há muito para conhecer, comidas e bebidas, na cidade onde o Carimbó não morreu. E, é claro, junto com as receitas, conheça um mundo rico de detalhes que tornam a cultura paraense um capítulo à parte na história do Brasil.
Nem é preciso andar muito. Logo ali, ao lado da grande escultura de caranguejo, em frente ao prédio da prefeitura, está armada a banca de uma das mais famosas tacacazeiras da cidade, a Dona Irene. “Meu filho, quando é dezembro, isso aqui fica cheio. Aí sim a venda arrebenta, mas eu não aumento o preço não. Continua sendo cinco reais”, nos conta. No cardápio, além do tradicional tacacá, com molho de pimenta fresca e “queimosa”, estão as deliciosas coxinhas de frango e as patolas de caranguejo. Mas não só isso.
Dona Irene nos revela uma novidade para os visitantes. “Tu nunca viste o tacacá de caranguejo? Ah, é muito bom. Agora eu não tenho, o caranguejo ainda tá muito magro”, explica. A receita é simples: a carne do animal é retirada junto com a gordura, refogada com temperos como cheiro verde, e servida em uma cuia. “É uma comida típica do caboclo”, acrescenta Isaac Loureiro, presidente da Irmandade de São Benedito e nosso anfitrião.
Durante o festival, as cozinheiras capricham na utilização de ingredientes amazônicos, como jambu, tucupi e caranguejo, além da dourada e da piramutaba. Para agradar também ao gosto dos viajantes vegetarianos, dona Ana Lopes, do restaurante “Encontro dos Amigos”, prepara quitutes como o empadão de legumes. “Eu vi que alguns não comiam carne, né? Então criei logo essa receita”, narra. É também dona Ana a criadora do doce de jambo, aquela fruta roseada, muito presente nos municípios do Pará. “O jambo fazia lama aqui. O que faço é botar o açúcar no fogo, fazer aquela calda parecida com a do pudim e botar os pedaços da fruta”, nos explica, enquanto as bocas se enchem d'água.
Há também a famosa “gengibirra”, bebida de alto teor alcoólico que “abastece” de energia os festeiros durante os três dias de festival. Segundo dona Teodorina Loureiro, não tem mistério. Basta cortar os pedaços de gengibre, misturar com cachaça (“muita cachaça!”), pôr açúcar e bater no liquidificador. Depois, é deixar “descansando” e bater de novo e de novo  - quantas vezes achar necessário.

Deu vontade de experimentar. A gente sabe. Então é só arrumar as malas e planejar a viagem. A cidade estará de portas e panelas abertas. Ah, e não esquece de participar do financiamento coletivo no site Kikant ( http://www.kickante.com.br/campanhas/festival-de-carimbo-de-santarem-novo-fest-rimbo-0). A gente se encontra na estátua do caranguejo!

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Mostra Mestre Celé 2015- Saiba a história


Mestre Ticó é um mestre de hoje, seguindo a linha de Mestre Celé
Antes do tratamento de Mestre, ele era o “Seu” Celé. O respeito e o reconhecimento, esses sempre foram os mesmos. Guardião da memória e da tradição do carimbó e um dos maiores tocadores que Santarém Novo já viu, Mestre Celé é referência. Há alguns anos, era só chegar à cidade e perguntar sobre carimbó que era indicado o caminho da casa do senhor, sabedor de todos os ritos e ritmos que envolvem essa cultura.


Hoje, entre os grandes mestres nas estrelas, Mestre Celé empresta o nome à nossa Mostra de Carimbó. É ter a chancela do passado recebendo o presente com bons votos de continuidade. Quem quer participar, sabe a regra nº 1 da casa: tem que apresentar música inédita e autoral. Desde 2002, a Mostra deu visibilidade para gerações inteiras de compositores contemporâneos de carimbó, de gente nova que estreou na mostra até mestres já na idade de “Seu” Celé, o mestre eterno.

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

O Festrimbó abre espaço para as crias do Carimbó


O grupo "Nova Geração" trabalha o ritmo para a grande estreia!

Quando se fala em Carimbó, a palavra que mais se escuta é tradição. É comum a preocupação em conhecer a origem das festas e rituais, compreender todos os pormenores sobre o modo como os antigos conduziam o ritmo e entoavam as canções. A sobrevivência da cultura, no entanto, não seria possível sem o olhar e a força de vontade daqueles que empenham-se em repassar aos mais novos a riqueza dos saberes dos mestres. É por isso que o Festival de Carimbó de Santarém Novo possui dentro de sua programação o Mini Festival de Carimbó, que traz para o centro do barracão grupos mirim vindos de Marapanim, Salinas e Santarém Novo.

As coisas às vezes começam por acaso. Mestre João Bernardo de Souza, por exemplo, antigo tocador de Carimbó do município, criou o grupo "Trinca-ferro mirim”, motivado pelo medo de que seus netos e amigos se "perdessem na vida". “Os meninos brincavam de bater Carimbó em uma pracinha aqui todo final de semana. Eu até dei uns instrumentos pra eles", recorda. "Um dia eu notei que uns bêbados já se chegavam com latinhas pra perto. Aí eu pensei que daqui a pouco eles podiam se viciar. Mestre Bernardo, então, decidiu criar o conjunto, fundado em 2005. Na estrada, apresentações em vários municípios do Estado, que só se encerraram porque os meninos cresceram.

Para que o sopro de inspiração para as crianças não fosse instinto, dona Teodorina Loureiro resolveu criar um novo grupo, vinculado à Irmandade de São Benedito. “A gente tem que começar desde cedo pra eles não ficarem com isso de vergonha depois. Vergonha de dançar”, explica. O trabalho é feito com rigor e seriedade. Todas as noites o conjunto ensaia na casa de dona Téo, como é conhecida. Mestre Dico Boi, o membro mais antigo do grupo oficial da Irmandade, o “Quentes da Madrugada”, também faz parte da turma de professores. “É um prazer tão grande pra mim, eu agradeço à dona Téo que me convidou pra dar uma força. Estou aqui de coração, de braços abertos pra fazer tudo que eu puder”, comemora.


No dia 18 de dezembro, a abertura do Fest Rimbó ocorrerá com a estreia desse novo grupo-mirim, além de grupos convidados vindos dos municípios de Marapanim, Curuçá e Maracanã. Para que tudo ocorra nos trinques, contribua com o financiamento coletivo do Festival no site Kikant ( http://www.kickante.com.br/campanhas/festival-de-carimbo-de-santarem-novo-fest-rimbo-0). Ou você vai perder o grande início de uma nova história?

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Os poetas do Carimbó: a natureza da composição

Mestre Bento Pimentel, da Vila de Bacuriteua, um poeta do carimbó.


“Uns falam isso, outros falam aquilo. A verdade é que o carimbó é uma força da natureza. É a fauna e a flora juntas. Por isso que a pessoa que escuta sente vontade de ter contato com a terra, de dançar descalça”. Quem nos explica é o Mestre Bento Pimentel, morador da Vila de Bacuriteua, que fica próxima à Santarém Novo. A natureza é a grande inspiradora de suas criações. Durante o Festirimbó, compositores de diferentes estilos e gerações se unem para espalhar seus versos carregados da cultura ribeirinha da Amazônia aos ouvidos dos visitantes.

Antônio Máximo, mais conhecido como Toninho, faz parte de um grupo de jovens músicos chamado “Herdeiros da Tradição”, o único do município a ser premiado durante o festival. Ele nos conta que seu ofício de compositor nasceu inspirado pelo próprio Festival, mas, inicialmente, ainda estava muito ligado a outros ritmos como o rock´n roll. Hoje, após 12 anos de trabalho e 20 composições originais, o nome do grupo ganha mais sentido. “Atualmente tocamos o carimbó de raiz, de pau e corda. E não nos consideramos “artistas” não, isso é coisa pra quem tem apoio. Nós somos tocadores de carimbó”, afirma.

São muitos os temas das letras cantadas no barracão da Irmandade de São Benedito. O Mestre João Cabeção, da Vila do Pacujá, destaca duas personagens míticas como grandes motivadoras de canções: a Sereia e a Princesa. “É difícil você encontrar um grupo que não tenha uma música sobre elas”, nos explica ele após cantar um carimbó “de Sereia”. “Rapaz, a gente não vê, mas a gente inventa e faz o negócio. Acho que ninguém ainda não viu. Mas eu acredito que tenha, né? Porque os velhos, meu pai, contavam essas histórias de sereia”, relembra.

Segundo o Mestre, para fazer um carimbó, é preciso estar em silêncio, quieto. “Ah, isso custa um pouco, né? Não é numa hora que o cara faz pra criar uma música”. Deve ser assim, no sossego de um roçado ou à beira do forno de farinha, que a força da natureza vem soprar aos ouvidos dos poetas suas novas cantigas. Quer vir conhecer de perto as melodias e seus mistérios? É só ir à Santarém Novo nos dias 18, 19 e 20 de dezembro. Quem sabe as entidades dos rios e das matas também não lhe contam segredos?
Não esqueça. Para contribuir com o Festirimbó é só participar do financiamento coletivo no site Kikant (http://www.kickante.com.br/campanhas/festival-de-carimbo-de-santarem-novo-fest-rimbo-0). A cidade lhe aguarda.

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Crowdfunding, que bicho é esse?

Venha se juntar à festa e contribua com o financiamento do Festival!

“Carimbó” e “crowdfunding” (também conhecida como “vaquinha virtual”) são palavras de raízes muito distantes, mas que combinadas podem dar super certo. Se a gente for aperceber, as duas estão ali coladinhas, em conceito e objetivo. Colaboração. Movimento popular. Solidariedade. Onde já se viu falar em roda no barracão sem gente? Carimbó de um homem só? Batuque é feito na coletividade, o “frevo” do povo que constrói a festa. O XIII Fest-Rimbó chama você pra entrar roda e, além de dançar, bater palma, tambor, e cantar, também contribuir na Campanha de Financiamento Coletivo do festival. Espia como é fácil:

1º passo – Entre na nossa página no Kickante


Esse é o nosso endereço na internet para arrecadar uma grana e deixar o nosso festival mais bonito. O nosso “chapéu” virtual que a gente passa entre o público para construir o Fest-rimbó junto com a gente. O primeiro passo é só clicar aí no link.

2º passo – Escolha o quanto quer contribuir e faça sua doação

Depois é só decidir o valor que você quer doar pra gente. O Kickante aceita qualquer quantia acima de 10 reais e várias formas de pagamento. Pode ser com seu cartão de crédito, débito em conta corrente, PayPal e caso esteja com a grana apertada a contribuição pode ser parcelada em até 6 vezes (para valores acima de 50 reais).

3º passo – Divulgue a campanha por aí
Agora que já fez sua doação (e mesmo se não puder doar grana alguma), ajude a gente a movimentar o nosso projeto de financiamento coletivo compartilhando a campanha com seus amigos e conhecidos, no Facebook, Twitter, Whatsapp e na conversa cara a cara. Aqui, quem faz o sucesso da campanha é você!

4º passo – Mexe a cintura pra trás, pra frente um passinho só. Agora dê uma rodadinha e dance assim o carimbó! (Vem com a gente pro XIII Fest-Rimbó)
Pronto! Coloca a saia rodada na mala e vem pro XIII Festival de Carimbó de Santarém Novo nos dias 18, 19 e 20 de dezembro. Esperamos por vocês!

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Conheça o município de Santarém Novo e a Festa de São Benedito

A praça principal de Santarém Novo e suas cores à beira do Rio Maracanã

“Olha, me desculpem, mas Santarém Novo é o lugar número um do carimbó”. Dona Miruca, proprietária da “Pousada Martins”, uma das três da cidade, não sorri quando diz a frase. Seu tom de voz é agudo e direto. A seriedade vem de quem nasceu e cresceu ao som dos curimbós e “reques”, e sempre esteve envolvida com o batuque. Em Santarém Novo, carimbó é coisa muito séria. Além de movimentar economicamente a cidade no mês de dezembro, o ritmo está ligado a uma fé centenária: a devoção a São Benedito.

O "Festival de Carimbó de Santarém Novo" deste ano ocorrerá nos dias 18, 19 e 20 de dezembro. Após seu término, a programação continuará com a centenária Festividade de Carimbó de São Benedito, em homenagem ao Santo Preto, que inicia no dia 20 e vai até o dia 31 de dezembro. “Aqui, quase ninguém faz festa de fim de ano porque as pessoas não vão. Está todo mundo no barracão do carimbó”, explica Isaac Loureiro, ativista cultural, pesquisador e presidente da Irmandade do Carimbó de São Benedito.

Segundo ele, a festa tradicional obedece a vários rituais. Tudo se inicia com a Alvorada, que é o momento em que, a partir das cinco da manhã, os tocadores se dirigem à casa do festeiro ou festeira para acordá-lo e receber as ofertas que consistem em comidas: carne de porco, peixe e bebidas como a tradicional “gengibirra”. O festeiro é o membro da irmandade sorteado para homenagear São Benedito com a festa, que na maioria das vezes consiste também no pagamento de uma promessa. À noite, o batuque segue para o barracão e vai até às quatro da manhã.

Dona Teodorina Loureiro, cozinheira e vendedora de produtos variados, lembra bem quando seu neto Pedro nasceu prematuramente, com alguns problemas de saúde. “Minha filha se agarrou com São Benedito e disse que o menino era afilhado dele. Hoje meu neto está aí, forte, com dois anos, e toca todos os instrumentos do carimbó. Eu quero que tu vejas”, conta.

Pra conhecer mais da cultura do município e das histórias dos seus habitantes, pegue um ônibus ou uma van, ou mesmo aquela carona esperta, e venha ver de perto a programação do 13º Festirimbó. Traga muita animação e energia para aguentar o batuque, viu? O povo ali gosta de uma festa. E que São Benedito lhe abençoe.

Não esqueça de contribuir com o financiamento coletivo do Festival no site Kikant. ( http://www.kickante.com.br/campanhas/festival-de-carimbo-de-santarem-novo-fest-rimbo-0)

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Festival de Carimbó de Santarém Novo chega à sua 13ª edição


O Grupo Os Quentes da Madrugada, de Santarém Novo, aguarda sua presença e colaboração

O ano de 2002 é um ano marcante. Não é preciso forçar tanto a mente para que lembranças venham à tona e nos transportem no tempo. No Oriente Médio, começava a invasão americana ao Afeganistão. No Japão, a Seleção Brasileira conquistava o quinto título da Copa do Mundo de Futebol!
Já em Santarém Novo, município do nordeste paraense localizado às margens do rio Maracanã, um novo ciclo histórico era iniciado, no qual os tambores dos mestres populares e a luta pela defesa da cultura do carimbó, finalmente, assumiriam as rédeas de sua própria trajetória. Nascia o Festival de Carimbó de Santarém Novo, conhecido como "Fest Rimbó", um território de festas e instrumento de reivindicação social.
O festival foi criado a partir de um fórum de entidades comunitárias do município, que discutiam estratégias para o desenvolvimento local. O carimbó foi um viés pelo qual podia se promover o desenvolvimento econômico e social e, ao mesmo tempo, cultural.
Em 2015, o festival chega à sua 13ª edição. Durante os dias 18, 19 e 20 de dezembro serão reafirmados seus compromissos com a promoção dos profissionais da cidade, sejam eles músicos, artesãos, compositores, costureiras e cozinheiras, e seguirá fomentando o debate político sobre ações de salvaguarda dos saberes da cultura popular. Foi durante o festival, no ano de 2005, que nasceu a Campanha do Carimbó, movimento cultural e político protagonizado por mestres, grupos e comunidades do Pará, responsável pela luta para registrar o carimbó como patrimônio cultural imaterial do Brasil, objetivo conquistado e celebrado no dia 11 de setembro de 2014. Naquele ano, a diversão se unia à discussão.
A edição deste ano traz novidades. Para que a programação do evento ocorra tranquilamente, a organização do evento, que é feita pela Irmandade de Carimbó de São Benedito, convoca a todos a não ser apenas visitantes e tornarem-se também parceiros. Como fazer isso? Ora, é só participar da vaquinha virtual no site Kikant (http://www.kickante.com.br/campanhas/festival-de-carimbo-de-santarem-novo-fest-rimbo-0). Por meio do financiamento coletivo, você contribuirá para que o ciclo iniciado em 2002 ainda não vire apenas história. E, sim, siga escrevendo novos começos.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

CHEGANDO POR CÉUS, TERRAS E ÁGUAS...


É final de tarde em Santarém Novo, pequena e antiga cidade às margens do Rio Maracanã que aguarda a chegada de ilustres visitantes. Nas águas barrentas do rio o sol espalha mil tons de dourado, festa antecipada de cores e alegria que toma conta do coração do povo que escolheu um tambor de madeira oca para celebrar sua identidade e diversidade. Um tambor chamado Curimbó, herança tupi e africana que deu origem à mais perene e definitiva manifestação do povo paraense: o Carimbó.

O Carimbó  que pulsa no ritmo da batida do coração de cada morador dessa região, sinfonia da natureza que alcançou as cidades e se instalou no bem querer de todo o povo, tradição que resiste ao tempo e ao preconceito, agora próximo de ser reconhecido como patrimônio da cultura deste país.

Em cada comunidade, ponta de praia, beirada de rio, bairro e cidade os preparativos para a esparada viagem já começaram. São muitos os que aguardam a hora de embarcar...E vêem por muitos caminhos, guiados pelo sentimento e certeza de que esse (re)encontro se fará pleno de festividades.

Sejam então bem vindas as canoas de pesca que zarpam da lendária Ilha de Maiandeua e da tradicional cidade de Maracanã, trazendo em seu bucho de madeira os mestres e crianças de Fortalezinha e Algodoal, com seus tambores de siriúba e suas cantorias praianas, povoadas das histórias do mar e da Praia da Princesa...Bem vindo Chico Braga, pela primeira vez ao nosso terreiro, que a maré lhes traga com alegria e segurança. Bem vindos Tio Pedro e Tio Milico, Novo Zimba e Unidos de Maracanã.

Pelas estradas que cortam a região do Salgado desde a Praia da Romana até o Farol de Salinas, virão os carimbozeiros de Curuçá, Salinas e Marapanim, com seus batuques poderosos e suas melodias de encanto saindo de seus banjos e gargantas como uma revoada de pássaros em pleno verão. Bem vindos Canarinho, Sabiá, Raízes de Coremar, Revelação do Zimba, O Popular,  Raízes da Terra e Japiim.

E da fronteira bragantina vão chegar os carimbozeiros de Capanema, trazendo a herança guardada das tradições nordestinas misturadas a esse carimbó que vem mostrar sua beleza e originalidade. Bem vindos Estação Carimbó e Ouricuri ao nosso festival.

Da grande Belém já se espera a vinda dos tambores coloridos e festeiros do carimbó urbano, sotaques de raiz vindo de muitos lugares do interior, se unindo à sonoridade da cidade que não pára nunca e que cultiva esse amor incondicional ao carimbó desde os tempos da Cabanagem. Bem vindos Sancari, Unidos do Paraíso e Paranativo.

E do outro lado da baía tem uma ilha imensa de sonho e criatividade, uma barreira que guarda o mar, chamada Marajó. Seja bem vindo Cruzeirinho e seu balanço marajoara que não se aperreia nem na travessia mais arriscada.

Já é quase noite nas ruas de Santarém Novo, terra que guarda a tradição secular do Carimbó de São Benedito e seus rituais e devoções ancestrais, patrimônio cultural brasileiro e da humanidade. Na casa de cada carimbozeiro se arrumam os tambores, se enfeitam as saias, se preparam as comidas e os carinhos para receber quem está vindo compartilhar dessa festa tão bonita, tão nossa. O Barracão de São Benedito já está todo enfeitado, esperando a hora do Zimba começar....

Os mestres e artistas dos Quentes da Madrugada, Trinca-Ferro, Herdeiros da Tradição e Raio do Sol aguardam os que vêm vindo de longe, percorrendo a estrada se abre e os traz ao 10º FESTIVAL DE CARIMBÓ DE SANTARÉM NOVO, barracão, palco e terreiro de uma bandeira somente, desde sempre acolhendo quem é verdadeiro e se orgulha de sua identidade. Bem vindos cada mestres, músico, dançarino, brincante e amante do Carimbó, que sua estadia nos deixe sabedoria, alegria e saudades.

Bem vind@s todas e todos ao nosso festival, que aguarda só vocês para começar...


Festival de Carimbó de Santarém Novo: 10 anos de paixão e valorização da nossa cultura

“Mamãe eu quero um vestido, da seda mais encarnada
Pra dançar o carimbó no meio da rapaziada...”
(trecho de cantiga tradicional da Irmandade de Carimbó de São Benedito-Santarém Novo)

Já é dezembro e o som dos tambores anuncia o 10º FEST RIMBÓ – Festival de Carimbó de Santarém Novo, espalhando alegria e energia nos dias 17 e 18 de dezembro de 2011, antecedendo a tradicional festividade de carimbó da centenária Irmandade de Carimbó de São Benedito.

Completando 10 anos de história, o FEST RIMBÓ é muito mais do que um simples evento anual, consolidando-se como um dos principais espaços de valorização e difusão da cultura popular paraense. É o principal festival articulado pelo movimento cultural que luta pelo registro do Carimbó como Patrimônio Imaterial do Brasil.

Território de encontro e celebração da diversidade do carimbó e suas várias vertentes, ao longo desses 10 anos o Festival criou atividades importantes como Seminários, Encontro dos Mestres de Carimbó, Oficinas de Saberes e Fazeres do Carimbó, Mini-Festival com grupos infantis e Circuito Carimbó nas Escolas, além do Troféu Mestre Celé de Carimbó (estilos raiz e livre) e de animados bailes e shows com grupos regionais e locais.

Acreditamos necessário unir a festa com a reflexão, o show com o debate, a educação e a oralidade, o palco com a roda de conversas, cantos e danças, na construção de um dinâmico movimento cultural do carimbó, organizado pelas comunidades, grupos e mestres carimbozeiros  que lutam por reconhecimento e dignidade. Este tem sido o objetivo maior deste Festival.
Cortejo da Campanha do Carimbó (2010)

Nesse sentido, o 10º FEST RIMBÓ continua sendo o espaço privilegiado de articulação e reflexão da Campanha “Carimbó Patrimônio Cultural Brasileiro”, movimento nascido no festival de 2005 e que há 7 anos vem lutando para registrar o Carimbó paraense como patrimônio cultural imaterial do Brasil.

Para comemorar uma década de atividades ininterruptas, o FEST RIMBÓ 2011 promove o (re)encontro grupos e mestres carimbozeiros  que já passaram pelo Festival ao longo de seus dez anos de existência, reafirmando a importância do evento para o reconhecimento e fortalecimento do carimbó paraense.

Realizado desde 2002 pela Irmandade de Carimbó de São Benedito, o FEST RIMBÓ  conta hoje com várias parceiros e apoiadores como a Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves, Instituto de Artes do Pará, SESC Pará, Assembléia Legislativa do Pará, IPHAN, Prefeitura Municipal de Santarém Novo, Câmara Municipal, Casa Grande, Movimento Nossa Casa de Cultura e Cidadania, dentre outras instituições.

Atividades do festival celebram a tradição e diversidade do Carimbó
            
A programação de 2011 inclui a 10ª edição do “Troféu Mestre Celé de Carimbó”, mostra musical aberta a grupos de todo o Pará que tem proporcionado visibilidade e valorização de grupos e compositores de carimbó em atividade, distribuindo premiações nos estilos Raiz (ou tradicional, pau-e-corda) e  Livre (que permite releituras e fusões), reconhecendo e afirmando a rica diversidade musical da manifestação. Hoje é considerada a mais antiga e representativa mostra de carimbó do Pará, recebendo grupos e mestres vindos dos municípios da região do Salgado, Marajó e Belém, revelando a beleza e dos diferentes sotaques e estilos do nosso carimbó. Para os 10 anos do Festival já confirmaram presença grupos de Marapanim, Maracanã, Salinópolis, Capanema, Curuçá, Magalhães Barata, Santa Bárbara do Pará e Belém, além dos anfitriões de Santarém Novo.

Crianças do Tio Milico (Maracanã)
O Mini-Festival de Carimbó com os grupos mirins é outra atividade criada para incentivar essa renovação e continuidade da tradição do carimbó. O FEST RIMBÓ foi o primeiro evento a oferecer esse espaço para as crianças e adolescentes mostrarem o talento herdado de seus pais, sendo referência para a criação de grupos mirins em vários outros municípios da região. Realizado desde 2005, este ano o Mini-Festival receberá os pequenos carimbozeiros do Espaço Cidadão Tio Milico, da Ilha de Maiandeua (Maracanã) e o anfitrião Trinca-Ferro Mirim, grupo criado pelo casal de mestres Ana e Bernardo (Santarém Novo).

 As Oficinas de Saberes e Fazeres do Carimbó, ministradas por mestres da Irmandade, também se inserem no esforço da comunidade em transmitir sua tradição oral aos mais jovens e assim assegurar sua preservação e continuidade. Realizadas desde 2005, utilizam a pedagogia da oralidade e privilegiam os saberes de mestres e mestras da própria comunidade.

E para democratizar o acesso à produção audiovisual paraense e brasileira ainda tem o Circuito Cine-Carimbó, mostra itinerante de vídeos sobre a temática do Carimbó que será realizada no âmbito do evento, com a exibição de filmes como “Chama Verequete”, “O Grande Balé de Damiana”, entre outros. O Cine-Carimbó é uma ação da Campanha do Carimbó e percorre as comunidades carimbozeiras da capital e do interior do Estado.

 Mestres e grupos de Carimbó discutem os rumos do movimento pelo registro como patrimônio cultural

Coordenador da ASSEBA no Seminário de 2010
O 10º FEST RIMBÓ continuará sendo também o espaço maior de articulação da Campanha “Carimbó Patrimônio Cultural Brasileiro”, importante movimento cultural que nasceu neste mesmo Festival em dezembro de 2005, quando a Irmandade de São Benedito e vários grupos culturais iniciaram a mobilização junto ao IPHAN para registrar o Carimbó como patrimônio imaterial da cultura brasileira. Como parte da programação do evento, teremos o Seminário da Campanha, abordando o tema “Caminhos do Carimbó na luta por valorização e dignidade”, onde se discutirá as questões relacionadas ao processo de registro em andamento e também as estratégias de fortalecimento e continuidade da rede social e cultural criada a partir desse movimento. Participam os coletivos locais da Campanha de diversos municípios, além de mestres, jovens músicos e dançarinos, produtores culturais, educadores e instituições ligadas à cultura popular.  

O 7º Encontro dos Mestres de Carimbó homenageará Mestre Bento Trindade Alves, fundador do grupo Raízes da Terra (Marapanim) que se encontra gravemente doente e cuja situação reflete a realidade vivida por muitos mestres mestras populares. O evento será o espaço de trocas, vivências e articulações entre mestres e mestras tradicionais que lutam pelo reconhecimento de seus saberes e fazeres, contando com a participação de instituições ligadas à cultura popular como o IPHAN, Fundação Cultural Tancredo Neves, IAP, dentre outras. Experiência única no Pará, o encontro deste ano reunirá mestres e mestras de várias tradições importantes do Carimbó, como a flauta e o banjo artesanais, o batuque tradicional, a confecção de instrumentos e a dança, buscando contribuir para o reconhecimento da importância desses mestres na preservação e transmissão da cultura tradicional às novas gerações.

Uma das novidades desta edição é a realização da Oficina-Vivência de Ludicidade, Literatura e Artereciclagem com as crianças da comunidade, promovida por ativistas do Movimento Nossa Casa de Cultura e Cidadania (AP), que atua em comunidades ribeirinhas da Amazônia. Jonas Banhos, arte-educador, palhaço e Mochileiro Tuxaua será o animador dessa atividade, que busca estimular a criatividade, a leitura e sensibilidade ambiental de crianças e adolescentes a partir de suas próprias referências culturais, que no caso de Santarém Novo é o carimbó.

Candinho dos Quentes da Madrugada
O festival realizará ainda Cortejos de Carimbó, Festa no Barracão, Alvoradas, Feira de Artes e Sabores Amazônicos, Cine-Carimbó e animados bailes e shows com grupos regionais, como o Grupo Raízes da Terra (Marapanim) e locais, como o Grupo Os Quentes da Madrugada.

O 10º FEST RIMBÓ será realizado na cidade de Santarém Novo, na região do Salgado paraense, nos dias 17 e 18 de dezembro de 2011, antecedendo as tradicionais festas de carimbó da centenária Irmandade de São Benedito desta cidade.

Todas as atividades do evento serão gratuitas e abertas ao público. A realização é da Irmandade de Carimbó de São Benedito, em parceria com a Campanha Carimbó Patrimônio Cultural Brasileiro, tendo o apoio do IPHAN-PA, da Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves, do SESC-PA, do Instituto de Artes do Pará, da Prefeitura Municipal de Santarém Novo, Câmara Municipal de Santarém Novo.

SERVIÇO:

O que: 10º FEST RIMBÓ – Festival de Carimbó de Santarém Novo
Quando: 17 e 18 de dezembro de 2011
Onde: Espaço da Irmandade de Carimbó de São Benedito, Santarém Novo/PA
Como Chegar: Veja AQUI

Contatos da Coordenação:
(91) 8722-9502 / 9137-9017 / 8263-9738
Blog: www.festrimbo.blogspot.com
Email: carimbopatrimonioculturalBR@gmail.com

                                    

PROGRAMAÇÃO GERAL

Dia 17/dez – Sábado
06:00
Alvorada do Festival com fogos e cantorias
09:00 às  13:00
7º Encontro dos Mestres de Carimbó
Tema – Carimbó: que patrimônio é esse?
Convidados: Nilson Chaves (FCPTN), Mestres e Mestras flautistas, saxofonistas, batuqueiros, banjistas, compositores, construtores de instrumentos e dançadores(as).
09:00 às 16
Atividades lúdicas e culturais com crianças da comunidade – Movimento Nossa Casa de Cultura e Cidadania (AP) – Barracão da Irmandade
16:30
Cortejo Cultural de abertura – 10 anos do FEST RIMBÓ
18:00
Cerimônia de Abertura, ao som da Orquestra de Carimbó de Santarém Novo
18:30
Mini Festival Ano VII – Mostra de Grupos Mirins de Carimbó – Tio Milico (Ilha de Maiandeua)
19:30
Troféu Mestre Celé de Carimbó – 10ª Edição – Mostra de Grupos de Carimbó
00:00
Festa de Carimbó no Barracão da Irmandade – Grupo Os Quentes da Madrugada e convidados
Dia 18/dez – Domingo

06:00
Alvorada do Festival com fogos e cantorias
09:00 às 13:00
7º Seminário da Campanha “Carimbó Patrimônio Cultural Brasileiro”
Tema – Caminhos do Carimbó na luta por valorização e dignidade 
Expositores: IPHAN/PA, Irmandade de S. Benedito/Santarém Novo, Espaço Cidadão Tio Milico/Maracanã, Associação Raízes da Terra/Marapanim e convidados

Convidados: Instituto de Artes do Pará, Regional Norte/MINC, gestores e produtores de cultura da região
09:00 às 14
Atividades lúdicas e culturais com crianças da comunidade – Movimento Nossa Casa de Cultura e Cidadania (AP) – Barracão da Irmandade
16:30
Arrastão do Carimbó Patrimônio Cultural Brasileiro – grande cortejo cultural com todos os grupos presentes – 7 anos da Campanha do Carimbó
17:30
Cordão Tradicional “Os Pretinhos” (Santarem Novo)
18:00
Mini Festival Ano VII – Mostra de Grupos Mirins de Carimbó – Trinca Ferro Mirim (Santarem Novo)
18:30
Homenagens pelos 10 anos do FEST RIMBÓ – entrega de troféus e agradecimentos a pessoas, grupos e instituições que fazem parte dessa história
19:00
Homenagem a Mestre Bento – Grupo Raízes da Terra (Marapanim)
19:30
Troféu Mestre Celé de Carimbó – 10ª Edição – Mostra de Grupos de Carimbó
01:00
Encerramento do 10º FEST RIMBÓ